| Página Inicial | Fale Conosco |    Segunda, 18 de Janeiro de 2021.
 
   PUBLICIDADES
   USUÁRIO VIP :
E-mail:

Senha:
CADASTRE-SE!
   PUBLICIDADES
Oscar 2007
Scorsese diz que já "estava acostumado" a não ganhar o Oscar
 Foto: Martin Scorsese, por "Os Infiltrados" 
A premiação do Oscar, prêmio máximo do cinema, coroou na noite deste domingo os "monarcas" Helen Mirren, como Melhor Atriz, Forest Whitaker, como Melhor Ator e, principalmente, Martin Scorsese, como Melhor Diretor.

As três vitórias - já previstas - foram anunciadas em uma noite que também teve suas surpresas, entre elas, a derrota de "O Labirinto do Fauno" na categoria de Melhor Filme Estrangeiro, na qual chegou como favorito.

O grande vencedor da 79º edição do Oscar foi "Os Infiltrados" com um total de quatro estatuetas, das cinco que disputava.

A vitória do longa de Scorsese como Melhor Filme trouxe a maior surpresa da noite, porque não era considerado favorito.

Além disso, o filme - centrado no mundo da máfia - recebeu a estatueta de Melhor Edição e Melhor Roteiro Adaptado, além do prêmio que fez a platéia ficar de pé, o de Melhor Diretor.

Como disse o mexicano Alejandro González Iñárritu, também concorrendo a Melhor Diretor por "Babel", existia uma "necessidade furiosa" de dar o prêmio a Scorsese.

"Fiz tantos filmes nestes anos sem receber prêmios que tinha me acostumado, mas o melhor é que os fiz. E isso me agradou muito", confessou o diretor de longas como "Táxi Driver", "Touro Indomável" e "Os Bons Companheiros", que nunca tinha recebido um Oscar até a noite de ontem.

A 79º edição do Oscar começou com os "três amigos", expressão usada para se referir aos mexicanos e amigos González Iñárritu, Alfonso Cuarón e Guillermo del Toro, no tapete vermelho.

Os três diretores somavam com suas obras, "Babel", "Filhos da Esperança" e "O Labirinto do Fauno", respectivamente, um total de 16 indicações, o que encheu o tapete vermelho de bandeiras mexicanas.

Algumas delas chegaram à platéia, mas no fim da cerimônia, os três amigos foram outros muito diferentes.

Francis Ford Coppola, Steven Spielberg e George Lucas, amigos e colegas de Scorsese, estiveram juntos no palco para entregar a merecida estatueta ao lendário diretor.

"Quando vi esse sorriso soube que alguma coisa estava sendo tramada", disse Scorsese sobre o gesto de cumplicidade do trio que ele definiu como sua "pequena escola de cinema privada", por causa das vivências cinematográficas compartilhadas pelos quatro nos anos 70.

Scorsese foi o "rei" da noite, mas Helen Mirren e Forester Whitaker desfrutaram do mesmo título, confirmado, inclusive, nos nomes dos filmes que deram a vitória a ambos, "A Rainha" e "O Último Rei da Escócia", respectivamente.

A atriz britânica teve palavras de carinho para todas as indicadas à categoria, afirmando que tinha sido uma "profunda honra" participar de um ano marcado não só por grandes atrizes, mas "por grandes papéis".

Whitaker falou sobre seus antepassados e mostrou, mais uma vez, seu jeito tranqüilo, totalmente oposto ao tempestuoso Idi Amin interpretado por ele em "O Último Rei da Escócia".

"Não sabia o que aconteceria, mas notei a magia", afirmou com sua primeira estatueta ao se referir aos "calafrios e cócegas" que nota cada vez que sente que seus antepassados estão a seu lado.

Outros prêmios foram para Jennifer Hudson como Melhor Atriz Coadjuvante por "Dreamgirls - Em Busca de um Sonho" e para Alan Arkin na categoria de Melhor Ator Coadjuvante por "Pequena Miss Sunshine".

Embora sua vitória tenha sido uma das surpresas da noite, já que Eddie Murphy era considerado favorito por sua atuação em "Dreamgirls - Em Busca de um Sonho", Arkin impôs um momento de sobriedade na cerimônia ao falar o mantra repetido por todos os candidatos: o Oscar não é uma competição.

"E agora me sinto um hipócrita com o Oscar na mão", disse.

O diretor alemão Florian Henckel von Donnersmarck venceu na categoria de Melhor Filme Estrangeiro com "A Vida dos Outros", contra todas as previsões.

Em seu discurso, Von Donnersmarck também teve palavras de carinho para seu principal rival derrotado, o mexicano Guillermo del Toro, do longa "O Labirinto do Fauno".

"Estou triste por Guillermo, mas não tão triste. Sinto-me melhor ganhando", reconheceu de forma honesta, mas entre brincadeiras.

O mexicano também não tinha muitos motivos para ficar triste.

Apesar da derrota nesta categoria, "O Labirinto do Fauno" encerrou o Oscar como o segundo filme com maior número de estatuetas, um total de três, por Melhor Maquiagem, Melhor Direção de Arte e Melhor Fotografia.


Notícia Postada em 25/02/2007

 NAVEGUE   
Principal    
Agenda    
Cadastre-se    
Promoções    
Coberturas    
Notícias    
Enquetes    
 SERVIÇOS   
Anuncie    
Fale Conosco    
Seja Parceiro    
Links    
 ENTRETENIMENTO   
Mural de Recados    
Festas e Eventos    
Você Já Viu    
 
© 2000-2007 - olha.opassarinho.com.br - Todos os direitos reservados
Termos de Uso Política de Privacidade Desenvolvido por Concluir Soluções Integradas